fbpx

A coluna torácica: negligenciada e subtratada

Texto adaptado de Nicholas Studholme, DC, CCSP, CCEP, FAFS

Dizer que uma região da coluna é mais importante do que a outra seria injusto com todo o resto. No entanto,  a coluna torácica é totalmente diferente das regiões cervical e lombar.

A coluna torácica normalmente tem 12 segmentos, muito mais que as outras regiões da coluna vertebral, e uma caixa torácica ligada a eles, agregando estabilidade e suporte importantes. Está localizada entre as regiões cervical e lombar, por isso, qualquer movimento de baixo para cima ou de cima para baixo será forçado a passar através dela.

Uma das forças que não pode ser negligenciada no treinamento funcional é a gravidade. E em nosso dia a dia, a coluna torácica está constantemente lutando contra essa força. Geralmente, todos os movimentos diários exigem que nossas mãos fiquem pronadas, encurtando constantemente nossos peitos e costas, e também criando um estiramento e uma inibição de nossos estabilizadores escapulares (trapézios, romboides, serrátio anterior, entre outras). 

Desta forma, nós tendemos a nos inclinar para frente e ainda ver o horizonte, olhamos para cima, criando, assim, uma anteriorização da cabeça. Isso pode resultar em significativa dor suboccipital e cérvico-torácica. Uma vez que essas áreas estão assumindo uma carga excessiva para compensar a coluna torácica arredondada.

Mecânica da coluna e os princípios da CFA 

Se entendermos a mecânica da coluna torácica, podemos usar os princípios da CFA (Ciência Funcional Aplicada) para ajudar nossos pacientes a criar mudanças significativas e sustentáveis. Primeiro, nós precisamos entender o movimento acoplado, que não exige nada mais do que o conhecimento que qualquer movimento da coluna em um plano é normalmente acompanhado de um movimento espinhal em outro plano. 

Um exemplo comum usado é que a flexão lateral da coluna é sempre acompanhada de rotação da coluna vertebral. Em outras palavras, dois tipos de movimentos são “acoplados”. 

– Tipo 2, o movimento é definido pelas articulações girando e flexionando na mesma direção; 

– Tipo 1, o movimento é definido pelas articulações girando e flexionando lateralmente em diferentes direções. 

A coluna torácica tende a exibir uma preferência pelo Tipo 2 de movimento do T1-T5 e Tipo 1 do T6-T-12. A teoria é que quando uma coluna vertebral (ou segmento vertebral individual) se move em duas direções que não são os movimentos acoplados esperados, é considerada como mecânica desacoplada. Dessa forma, a mecânica desacoplada em seções vertebrais ou em um segmento pode levar a amplitudes anormais de movimento, disfunção articular recorrente, degeneração articular, inflamação e dor.

No entanto, quando olhamos para muitos empreendimentos esportivos, nós percebemos que os movimentos acoplados e desacoplados acontecem o tempo todo. Portanto, precisamos avaliar, mobilizar e treinar nossos pacientes e clientes para serem bem-sucedidos em todos os movimentos para evitar lesões e melhorar a performance.

Ao tratar a coluna torácica, o princípio da CFA começa bem-sucedido e baseado no sucesso. Para a maioria das condições, o sucesso é que nossos pacientes têm grande movimento para a extensão de flexão e disfunção.

Dessa forma, se entendermos que todos os movimentos são tridimensionais e o conceito de movimento articular relativo, então, podemos criar uma estratégia que conduz o movimento que estimula a flexão com flexão lateral e rotação, e à medida que retornamos da flexão para nossa posição inicial, notavelmente estamos criando extensão articular torácica. Novamente, manter o paciente em um padrão de movimento bem-sucedido, permite buscar o final do jogo de uma melhor extensão.

Treinamento Funcional

Sendo assim, o Treino de Força convencional negligencia e não estimula a coluna torácica. No entanto, o Treinamento Funcional, que tem como foco a melhora do movimento, consegue ter um estímulo maior para esta região. Uma coluna torácica capaz de acelerar e desacelerar para todas as direções dá mais segurança à coluna lombar, afastando, assim, a temida lesão lombar.

 

Gostou do artigo? Confira também o texto sobre lesões nas costas!

Tem alguma dúvida?

Fale com
a Dofit

Dúvidas? Pode enviar sua mensagem e nossa equipe responderá por e-mail ou Whatsapp.

© DoFit. 2022 - Todos os direitos reservados
Criado por deu lucro