fbpx

Treinamento de ação periférica do coração: “O que é velho e novo novamente”

De Len Kravitz, PhD

Pesquisa

Estudo mostra potencial para clientes que têm pressão arterial elevada ou não podem fazer HIIT.

Se você tem clientes com pressão alta ou problemas de saúde que os impedem de usar treinamento de intervalo de alta intensidade, então este estudo é para você.
A pesquisa explora o treinamento de ação cardíaca periférica (ACP), um sistema de condicionamento desenvolvido por Arthur Steinhaus, PhD, na década de 1940 (Piras et al. 2015). ACP visa manter o sangue circulando consistentemente durante uma sessão de treinamento de resistência. Cinco a seis exercícios são executados sequencialmente em uma intensidade média – sem descanso entre eles. Os exercícios alternadamente enfatizam os músculos da parte superior e inferior do corpo (Piras et al., 2015).

Curiosamente, embora a ACP tenha estado presente em torno de mais de meio século, poucas pessoas têm investigado seus efeitos sobre a função cardiovascular e autonômica, o ramo do sistema nervoso que controla os órgãos internos e regula a frequência cardíaca, a respiração e a função cardíaca. Isso mudou no ano passado, quando Piras e colegas compararam os efeitos da ACP com os do HIIT sobre a função cardiovascular e autonômica em um grupo de jovens, homens e mulheres sem treinamento. Vamos investigar os detalhes do estudo e analisar os resultados.

Assuntos de estudo

Dezoito voluntários saudáveis (nove mulheres e nove homens, com idade média de 24 anos e IMC médio = 22,67) foram aleatoriamente designados para um grupo de HIIT (de oito indivíduos) ou para um grupo de ACP (dez indivíduos). Nenhum deles fumava, não tinha nenhum tipo de doença e não estava tomando medicamentos prescritos. Embora os participantes fossem recreativamente ativos, eles estavam destreinados. A sua capacidade aeróbia máxima foi de 32,89 mililitros por quilograma de peso corporal por minuto, uma classificação “pobre” para a idade e gênero.

 

Métodos de estudo

Todos os voluntários fizeram pré e pós-testes dentro de 3-4 dias do período de treinamento de três meses, que se constituiu em três sessões de exercícios por semana, separados a cada vez por 1-2 dias de descanso. Os pesquisadores do estudo supervisionaram todas as sessões de treinamento. As avaliações de força muscular utilizaram o teste máximo de uma repetição peitoral maior e menor, quadríceps, grande dorsal, isquiotibiais, deltoides e gastrocnêmicos. Os testes de função autonômica mediram a variabilidade da frequência cardíaca (a variação fisiológica no intervalo de tempo entre os batimentos cardíacos) e a sensibilidade barorreflexa (uma medida da interação entre atividades simpáticas e parassimpáticas que afetam diariamente a saúde cardíaca).

Grupo de formação HIIT

O grupo HIIT completou um aquecimento de 5 minutos em um cicloergômetro e começou o treinamento de com um trabalho de um minuto de alta intensidade ao nível de sua capacidade aeróbia máxima, seguido de um intervalo de recuperação de 2 minutos (sem carga no ciclo). Os intervalos de trabalho e de recuperação foram realizados cinco vezes, com um resfriamento de cinco minutos no final do treino.

 

Grupo de treinamento ACP

Cada sessão de ACP começa com um aquecimento de cinco minutos e é concluído com um refresco de cinco minutos. O protocolo ACP usou seis exercícios estritamente ordenados nesta sequência de circuito: peitoral maior, extensão da perna, grande dorsal pull-down, leg curl, shoulder press e calf machine (ver figura 1). Não houve descanso entre os exercícios.

Todos os indivíduos completaram 15 repetições de cada exercício em 55%-60% de seu 1-RM. Depois de completar o primeiro circuito, eles descansaram um minuto e depois repetiram o processo de forma idêntica até completarem quatro circuitos. Os indivíduos usaram monitores de frequência cardíaca durante o treinamento, o qual manteve frequências cardíacas consistentemente a 60%-80% da frequência cardíaca máxima (calculada a partir do pré-teste de capacidade aeróbica).

Resultados de estudo

A pesquisa é o primeiro estudo longitudinal de 12 semanas a completar uma análise tão exaustiva de treinamento ACP em comparação com o treinamento HIIT. A Tabela 1 sintetiza muitos dos resultados de estudo. O mais interessante é que a melhora na capacidade aeróbica máxima para ACP é maior do que a relatada em estudos de treinamento em circuitos tradicionais. O conceito ACP de exercícios alternados da parte superior e inferior do corpo, realizados com uma intensidade média de exercícios (sem descanso entre intervalos), estimula várias variáveis da função cardiovascular.

Piras e seus colegas lançaram a hipótese de que o treinamento da ação cardíaca periférica fornece o estresse adequado para o sistema cardiovascular se adaptar. Eles acreditam que este tipo de exercício pode aumentar o fluxo sanguíneo periférico (ou seja, nos braços, mãos, pernas e pés) durante o treinamento e melhorar a atividade metabólica celular.

Com a ACP, os marcadores de variabilidade da frequência cardíaca de atividade autonômica (controle da frequência cardíaca) foram reduzidos. Esses resultados indicam uma resposta muito positiva para melhorar a saúde do coração, e foram mais favoráveis no grupo ACP do que no grupo HIIT. Os marcadores de sensibilidade barorreflexa também mostraram melhora encorajadora no estudo de 12 semanas para ambos os grupos.

Como esperado, o grupo ACP mostrou mais melhorias da força muscular na musculatura inferior e superior do que o grupo HIIT.

Piras et al. notou que essas informações podem revelar-se mais benéficas para a prevenção ou o tratamento da síndrome metabólica, obesidade, sarcopenia e osteoporose.

Em 12 semanas, o treinamento de ACP produziu reduções significativas na pressão arterial sistólica, pontuação melhor do que a do treinamento HIIT. Piras et al. (2015) propõe que o treinamento de ACP deve ser considerado uma opção viável para pessoas com pressão arterial elevada ou com patologias clínicas que não lhes permitam treinar em altas intensidades.

Os pesquisadores sugerem que a combinação de treinamento HIIT com ACP pode muito provavelmente ter ainda maiores benefícios para reduzir a pressão arterial em pessoas com hipertensão.

 

Existe um mecanismo fisiológico no trabalho com o treinamento de ACP?

Não há descanso entre os conjuntos de ACP, e os exercícios alternam entre a parte superior do corpo e parte inferior do corpo. Em 1978, Asmussen & Mazin mostraram que um trabalho mais dinâmico pode ser realizado exercitando continuamente em diferentes grupos musculares em vez de descansar entre exercícios. Piras et. al (2015) propõe que com o fluxo sanguíneo aumentando continuamente durante uma sessão de treinamento de ACP, a ação cardíaca periférica pode muito provavelmente ser a maneira mais eficaz de remover os metabólitos (isto é, íons de hidrogênio e de dióxido de carbono) que contribuem para a fadiga.

O que é velho é novo de novo

Os resultados desses estudos são mais impressionantes. O treinamento de ACP promove adaptações positivas em várias variáveis relacionadas à função cardiovascular, pressão arterial e regulamentação autonômica. As melhorias na variabilidade da frequência cardíaca e da sensibilidade barométrica estão associadas com menor risco para todas as causas de mortalidade e morbidade. Todas essas melhorias se traduzem em maior proteção contra doenças cardiovasculares. Além disso, os ganhos de força muscular deste tipo de treinamento são bastante impressionantes. O que é velho é novo outra vez, e esta nova e promissora pesquisa sugere que o treinamento de ACP prevaleça por algum tempo.

 

Referência adicional

Asmussen, E., & Mazin, B. 1978. Recuperation after muscular fatigue by “diverting activities.”European Journal of Applied Physiology and Occupational Physiology, 38 (1), 1–7.

IDEA Fitness Journal, Volume 13, Issue 5

Tem alguma dúvida?

Fale com
a Dofit

Dúvidas? Pode enviar sua mensagem e nossa equipe responderá por e-mail ou Whatsapp.

© DoFit. 2022 - Todos os direitos reservados
Criado por deu lucro